Notícias

 Consórcio dá sequência ao transplante de árvores 
 As árvores foram transplantadas em três lugares diferentes
Leia mais...
 
Pulmão inflável será instalado em Cuiabá
Pulmão inflável para sensibilizar sobre os danos provocados pela fumaça
Leia mais...
 

A venda de agrotóxicos no Brasil em 2010 teve um aumento de 190% em comparação a 2009.

Leia mais...
 
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) disponibilizou em seu site
Leia mais...
 

Código Florestal: cientistas vão continuar se manifestando contra aprovação dos deputados

Leia mais...
 

Izabella Teixeira: veto ao Código Florestal deve ser realista

Leia mais...
 

 Simpósio sobre hidrelétricas no Pantanal supera expectativas

Leia mais...
 
Desmatamento na Amazônia diminuiu 48% de agosto de 2009 a julho deste ano
Leia mais...
 
Focos de calor
Meio Ambiente registra focos de calor em 85 unidades de conservação
Leia mais...
 
MT campeão em focos
Mato Grosso é o estado com maior número de focos de incêndio em agosto
Leia mais...
 
Cadastro ambiental
Cinco municípios começam a fazer cadastro ambiental no Pará e em Mato Grosso
Leia mais...
 
Queimadas da cana
MPF quer revisar modelo de concessão de licenças para queimadas da cana
Leia mais...
 
Autorização da Belo Monte
Decreto autoriza a exploração da Usina de Belo Monte pela empresa Norte Energia
Leia mais...
 
75% da meta mundial
Brasil cumpriu 75% da meta mundial de conservação da biodiversidade, segundo MMA
Leia mais...
 
Perca de áreas protegidas
ONG indica que Amazônia perdeu 49 mil quilômetros quadrados de áreas protegidas em um ano
Leia mais...
 
Aumento das queimadas e expansão rural
Especialista aponta relação entre aumento das queimadas e expansão rural
Leia mais...
 
Ibama proíbe a caça
de espécies consideradas pragas, que afetem a agricultura
Leia mais...
 
Código Florestal controverso
Aldo Rebelo explica pontos do Código Florestal considerados controversos
Leia mais...
 
Biodiversidade
Propriedade privada é fundamental para preservar biodiversidade, afirmam especialistas
Leia mais...
 
Reserva legal rentável
Mudança no modelo de produção pode tornar reserva legal rentável para proprietários rurais
Leia mais...
 
Projetos ambientais
Petrobras vai destinar R$ 78 milhões a projetos ambientais em todo o país
Leia mais...
 
Izabella Teixeira
Ministra teme que novo Código Florestal provoque disputa entre estados para atrair investimento
Leia mais...
 
Toneladas de gases estufa
Inventário aponta emissão de quase 89 milhões de toneladas de gases estufa por empresa
Leia mais...
 
Setor madeireiro se moderniza a partir do combate ao desmatamento na Amazônia
Leia mais...
 
Novo Código Florestal
Movimentos sociais protestam contra criação do novo Código Florestal
Leia mais...
 
Biodiversidade
Audiência pública discute conservação da biodiversidade
Leia mais...
 
Usina Verde PDF Imprimir E-mail

Pesquisadores da Coordenação de Programas de Pós-Graduação de Engenharia (Coppe) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) querem aumentar a eficiência energética da Usina Verde, que funciona desde 2004 na Ilha do Fundão, na zona norte da cidade. O objetivo é ampliar a capacidade de produção de energia da usina.

O projeto, da iniciativa privada, teve a parte de tecnologia aprimorada pela Coppe e trabalha com a incineração de lixo urbano, destruindo os gases causadores de efeito estufa na atmosfera, além de transformar em energia quase todos os resíduos sólidos recebidos. O pesquisador Luciano Basto, do Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais (IVIG) da Coppe, coordenador do projeto Usina Verde, disse à Agência Brasil que a ideia é “tentar aumentar a escala e ajudar que se torne uma realidade no Brasil”.

Ele informou que a Usina Verde já faz isso em pequena escala. O sistema, porém, está capacitado para gerar o dobro de energia atual que é usada para autoconsumo. Com as 30 toneladas de lixo tratado que recebe por dia, provenientes do aterro sanitário da Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb) no Caju, a Usina Verde tem potência de 440 quilowatts (kW). Se funcionasse em tempo integral, isso representaria cerca de 3.500 megawatts/hora (MWh) por ano, o que seria suficiente para abastecer 1.500 residências.

Luciano Basto salientou que esse é um projeto piloto. Uma unidade comercial teria cinco vezes esse tamanho. Estimou que para 150 toneladas/dia de resíduos sólidos, poderia ser gerada energia suficiente para abastecer 8 mil residências.

Segundo o pesquisador, a ideia do grupo privado que administra a usina é desenvolver tecnologia para ser comercializada. A Coppe auxilia no processo. Esse tipo de unidade trabalha com três receitas: tratamento de lixo, comercialização de energia elétrica e térmica e créditos de carbono.

Nos últimos seis meses, a Usina Verde passou por uma auditoria do Bureau Veritas, escritório internacional de certificação, para se habilitar a receber créditos de carbono, isto é, bônus  negociáveis em troca da não poluição do meio ambiente. Basto informou que durante esse período, a usina comprovou a redução de 2 mil toneladas de emissões de gás carbônico das 30 toneladas de lixo recebidas por dia. Isso dá uma média de meia tonelada de gás carbônico por tonelada de lixo tratado.

“Significa dizer que qualquer usina que venha a ser instalada pode pleitear créditos [de carbono]”. Basto lembrou que o prefeito do Rio, Eduardo Paes, definiu metas para redução das emissões na cidade, destacando transporte e lixo como áreas importantes de trabalho com essa finalidade. “Tratar o lixo, gerando eletricidade é uma forma de resolver três fontes de mitigação. Uma delas é o lixo. A outra é a queima de combustíveis fósseis para gerar eletricidade e a terceira é o diesel que se consome para transportar o lixo até os aterros”.

A Coppe presta assessoramento técnico a qualquer grupo privado que queira implementar usinas para incineração de lixo e transformação em energia, utilizando tecnologia limpa. O pesquisador destacou que existem mais de mil usinas desse tipo funcionando em todo o mundo. “Para se ter uma ideia, a geração elétrica a partir do lixo, em 2006, foi equivalente ao consumo de eletricidade pelo setor residencial brasileiro em 2007”.

Naquele ano, o consumo das famílias no Brasil atingiu 90 milhões de MWh. Basto explicou que a energia gerada a partir do lixo representa entre 3% e 4% das matrizes nacionais. “Mas todo o lixo que foi utilizado para gerar eletricidade no mundo em 2006 equivaleu ao que as residências brasileiras consumiram em 2007, o que é algo significativo”.

Luciano Basto espera que até o terceiro trimestre de 2010, o Centro Tecnológico da Coppe conclua o sistema de aumento de eficiência da Usina Verde, visando ao melhor aproveitamento do calor gerado, com menos investimentos. “Dispor de muito mais eletricidade. Então, passa a haver mais receita”, afirmou.


Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil